quarta-feira, Novembro 26, 2014

O EFEITO SHATOV


Não concordo com a teoria de que foi Jesus que perdeu o jogo com a substituição que fez a meio do segundo tempo. Aquando da saída de Talisca (mais uma vez uma nulidade!) já o Zenit estava por cima no jogo - podia ter marcado por Hulk momentos antes (e aí o ex-Bahia ainda estava em campo, por exemplo) -. E porquê? Porque Villas Boas é um bom treinador e mexeu muito bem na equipa. A entrada de Fayzulin e principalmente a chegada de Shatov ao jogo - já na Luz foi ele que desequilibrou a partida - revolucionaram totalmente o encontro. Os russos passaram a dominar o centro do terreno e acabaram por controlar os últimos 25 minutos.

Mais do que cascar no treinador, para mim tivemos 3 factores decisivos e que levaram a este desfecho: quebra física de alguns jogadores a meio do segundo tempo; qualidade individual do adversário; falta de eficácia nos primeiros 15 minutos da etapa complementar. Quem quiser apontar o "culpado do costume" em jogos champions está à vontade mas não contem comigo para isso. Claro que se entrasse Pizzi ou Cristante a equipa poderia equilibrar mais o meio mas Jesus lançou Derley para tentar ganhar a partida. Percebi a ideia, provavelmente não era essa a substituição que faria mas, na minha opinião, não foi por ela que o Benfica perdeu e, mais importante que isso, o jogo estava claramente a pedir a saída de Talisca, um jogador que, francamente, não lhe reconheço talento suficiente para ser aquilo que já querem fazer dele.


Com a vitória do Mónaco, dissemos adeus à Europa. Um dia negativo para o Benfica mas a vida continua. O plantel é desequilibrado e sentia-se que apenas tinha "pulmão" para consumo interno. Concentremo-nos pois então por cá. Com ou sem Enzo, a minha confiança é total nestes jogadores e nesta equipa técnica.

PS: As declarações de Jesus foram surreais. Há que ser realista e admitir que a prestação na Europa foi muito fraca. Tudo bem que o grupo era exigente mas uma equipa do pote 1 não pode chegar ao último jogo com apenas 2 golos marcados. O Benfica não é, nunca foi e nem nunca será um qualquer Bate desta vida. Pedia-se mais e Jesus, como responsável máximo, deveria assumir as suas responsabilidades.


quinta-feira, Novembro 06, 2014

CLASSE MUNDIAL

Brahimi, Gaitán, Nani, Enzo e Jackson. O futebol português tem 5 jogadores de classe mundial. Ontem, mais um vez, tivemos Brahimi e Nani a empurrar as respectivas equipas rumo ao triunfo. É deste tipo de jogadores que aprecio: técnica acima da média mas sobretudo a sua capacidade em decidir. Com eles nada é feito ao acaso. Drible curto, velocidade de reacção e execução e tremenda capacidade para envolverem os seus companheiros no jogo. De forma algo atabalhoada mas perfeitamente correcta, Jesus defende que a diferença entre o bom e o grande jogador é que o último joga bem e tem a qualidade de fazer os outros jogar melhor. Brahimi e Nani fazem-no na perfeição!

quarta-feira, Novembro 05, 2014

ESPERANÇA


Três pontos importantes e que deixam tudo em aberto. Melhor o resultado que a exibição mas nesta fase o fundamental era mesmo ganhar. Talisca voltou a calar aqueles que, como eu, insistem em duvidar do seu valor e foi, desta feita e sem margem de dúvida, a grande figura do jogo. Vamos a notas:

Júlio Cesar: Velho ou aleijado, a verdade é que eu sou daqueles que gosto do brasileiro. Sinto-me descansado com ele na baliza. Ontem provou que tem pormenores de nível mundial. Absolutamente decisivo e um dos grandes responsáveis pelo nulo monegasco.

Maxi Pereira: goste-se ou não do conteúdo (eu não sou grande fã), o certo é que o uruguaio é de uma entrega tremenda e dá gosto ver a sua atitude em campo. Esteve bem ao nível defensivo (O'Campos nem se viu) e no ataque voltou a dar aquele impulso que já nos habituou. Das melhores unidades neste encontro.

Samaris: fez o melhor jogo com a camisola do Benfica. Ainda assim, se tivesse de quantificar a sua exibição de zero a dez, não lhe dava mais do que um "6". Portanto, muito longe daquilo que se exige a um trinco nas equipas de Jorge Jesus. Falta-lhe mais raça e maior determinação nas situações defensivas.

Derley: não marcou, não teve grandes oportunidades para marcar mas lutou muito, ganhou duelos no contacto físico e segurou muito jogo na frente. No global, pareceu-me positiva a sua estreia a titular na champions.

Talisca: MVP. Finalmente (digo eu!!) um jogo com mais sumo para além do golo. Entrou muito bem na partida e ligou o meio-campo ao ataque como um "10" deve fazer. Correu muito - fisicamente pareceu-me durar mais do que o habitual -, rematou, esteve particularmente assertivo no último passe (algo que sempre lhe reconhecemos) e foi decisivo ao aparecer no sitio certo para fazer o único golo da partida. 
Que mantenha esta bitola e que continue a calar os criticos é o que realmente desejo. Ontem, muito honestamente, mostrou coisas que ainda não lhe haviamos visto. 

Vem aí a difícil deslocação à Rússia. A equipa para depender exclusivamente de si terá de vencer mas o apuramento ainda poderá ser uma realidade caso consigamos empatar e o Leverkusen faça a sua tarefa em casa frente ao Mónaco. Depois, na última jornada, "apenas" teriamos de vencer os alemães e esperar que Leonardo Jardim desse uma ajuda. Tudo em aberto, portanto.

terça-feira, Novembro 04, 2014

VALORES INTERESSANTES NA LIGA


Após 9 jornadas, anda por aí gente que tem dado nas vistas e que poderá ter valor para ir um pouqinho mais longe. Eis o meu top 10 até ao momento:

10. Bruno Moreira (Paços): sinceramente, ainda não tenho grande opinião sobre este jogador. Apenas o tenho visto nos chamados resumos. Agora, os números dele estão lá e merece atenção especial já em Alvalade. Assim o farei.

9.  Mauro Goicoechea (Arouca): a primeira vez que o vi jogar foi num qualquer jogo da Roma e, confesso, fiquei impressionadíssimo. Uma agilidade tremenda e, nesse jogo, um punhado de defesas de grande qualidade. Depois sofreu um ou outro frango e foi afastado. 
Agora no Arouca tem mostrado muito serviço, nomeadamente em Alvalade e até na Luz. Aos 26 anos, parece-me estar aqui um keeper de qualidade.

8. Filipe Ferreira (Belenenses): numa altura em que é sempre difícil arranjar defesas esquerdos interessantes no nosso futebol, o filho de José Carlos tem, aqui e ali, mostrado alguma qualidade.

7. Kuca (Estoril): um extremo esquerdo com rasgo. Acima de tudo, consegue ser objectivo com bola. Tem drible fácil e tanto consegue esgueirar-se pelo meio como ir à linha e cruzar. Jogador a seguir com atenção.

6.  Danilo (Marítimo): um bom médio-defensivo. Face à altura que tem, é bastante ágil com a bola nos pés. 

5.  João Afonso (Guimarães): parece-me um jovem com potencial. Já se viu que de cabeça é muito forte e atrás é certinho na marcação. Ainda não consegui ver como poderá reagir a avançados móveis e rápidos (veremos como encaixará em Lima, por exemplo) mas até agora tem sido uma boa revelação.

4.  Prince (Rio Ave): uma bela surpresa. Um pouco ao estilo de Mangala, rápido, impetuoso (para o bem e para o mal) e forte no desarme pelo ar e pelo chão. É muito jovem e tem uma margem de progressão tremenda.

3.  André André (Guimarães): um pequeno Enzo. Se o Benfica perder o argentino em Janeiro, tem aqui uma bela solução. Isto diz tudo do valor do jovem português.

2. Marcelo (Rio Ave): um enorme central. Prático, rápido, forte no jogo aéreo e muito pouco faltoso. Em alguns aspectos faz lembrar Ricardo Carvalho. Já merecia um clube de maior dimensão.

1. Bernard (Guimarães): de todos os nomes desta lista, seguramente que é aquele que mais me impressiona. Uma autêntica pérola. Vai atrás, relaciona-se bem com o ataque, tem técnica e tem golo. Um box-to-box de excelência.


sexta-feira, Outubro 31, 2014

OLHO CLÍNICO


Vem aí um Ajax - Barcelona e é o momento certo para introduzir-mos um jogador que, pensamos, poderá ter um belo futuro pela frente. 

NOME: Lucas Andersen

NACIONALIDADE: Dinamarquesa

IDADE: 20 anos (13-09-1994)

CLUBE: Ajax

POSIÇÃO: Médio ofensivo


VIDEO:


O Ajax sempre foi uma equipa que me deu prazer ver jogar. Apresenta sempre jovens promissores e um futebol alegre e ofensivo. Tudo bem que o futebol holandês é suspeito mas este menino, Lucas Andersen, parece-me mais um atleta na linha de Cristian Eriksen: bom recorte técnico, boa qualidade de passe e visão de jogo. Para quem nunca o viu jogar, é um jogador na linha de Nuno Assis. Não é um puro "10" e gosta essencialmente de cair na esquerda para ter mais bola e liberdade para executar os seus movimentos ofensivos. 

Fiquem atentos ao Ajax - Barcelona e, já agora, a Lucas Andersen, número "16".


quinta-feira, Outubro 23, 2014

EMPATE SEM SABOR

Empatar fora na champions normalmente é um bom resultado. Neste caso em particular, acabou por saber a pouco - muito embora tivessemos desejado que o jogo acabasse o mais rapidamente possível após a expulsão do Lisandro -. O Mónaco tem algumas individualidades mas, francamente, não tem nível de champions. 

A questão de fundo é que, infelizmente, este Benfica também demonstra fragilidades e comete muitos erros. Desde logo, na forma como entra nas partidas. Tal como tinha sido frente ao Zenit e Leverkusen, fica sempre a impressão inicial de que estamos perante um qualquer colosso europeu e praticamente não conseguimos respirar. Uma vez mais não seria de espantar se ainda nos primeiros 5 minutos já estivessemos atrás do prejuízo. Felizmente, após os 20 minutos, a equipa começou a ter mais bola e a aparecer mais perto da baliza de Subasic. 

Na segunda parte houve melhorias e ficou a sensação de que a equipa encarnada poderia chegar ao golo. Dispôs de algumas boas ocasiões mas não foi eficaz na finalização. Lima tem estado relativamente bem longe da baliza mas não tem tido aquele poder de fogo que outrora mostrou. Diria que faltou Jonas para dar o toque de classe que esta equipa necessitava.

Vamos a notas:

MVP: André Almeida. Concordei a 100% com a sua inclusão no onze. Não sendo nada de especial, pelo menos percebe o papel que o "6" tem de ter e dá outra ajuda quer aos laterais quer aos centrais. Além disso, é mais intenso e mais rijo que Samaris e Cristante. Ganha o estatuto de melhor em campo, algo que tem tanto de bom como de preocupante.

Maxi+Eliseu: O uruguaio tem estado bem melhor que o português. No entanto, juntei-os aos dois porque, honestamente, não é possível uma equipa de champions ter dois laterais tão passivos a defender. Para consumo interno chegam perfeitamente mas lá fora sentem-se bastante as suas fragilidades. E então quando não há um Garay ou um Fejsa para as dobras, ainda se sente mais o quão vulneráveis são. Sílvio, à esquerda ou à direita, tem lugar de caras neste onze.

Lisandro. Foi justamente expulso - entrada ridícula para quem já tem amarelo - mas, sinceramente, até gostei do seu jogo. Entrou mal mas aos poucos foi melhorando. Com a bola nos pés parece-me mais inteligente que Jardel. Ok, isso não será propriamente algo de extraordinário mas já é um começo. Precisa de mais jogos e de mais tempo de treino para se adaptar ao sistema defensivo que Jesus tanto gosta.

Enzo. Melhorou qualquer coisa no segundo tempo mas esteve muito longe do motor que todos gostamos. E quando não se vê muito em campo, a equipa naturalmente que se ressente.

Talisca. Mais um jogo sem chama, sem intensidade, sem cultura táctica, sem rasgo, sem capacidade física e sem poder de fogo. Há quem o compare a Rivaldo (pausa para rir); eu, neste momento, comparo-o com Bruno César.

Sálvio. Ultimamente tem-se agarrado em demasia à bola. Dá tudo o que tem em campo, acaba todas as partidas exausto mas em termos de "sumo" tem deixado um bocado a desejar. Tem toda a minha confiança e por esperar tanto de "Toto" é que sou tão exigente com ele.

Nico Gaitán. Misturou o mau com o muito bom e foi dos poucos a realmente agitar o ataque. Já o vi com mais alegria em campo mas, ainda assim, nota-se que está de corpo e alma no clube e com vontade de mostrar serviço. Bom jogo no geral do argentino

Bebé.  Sempre fui contra a sua contratação e, infelizmente, está a justificar todas as minhas suspeitas. Não basta ter força e velocidade. Um jogador que não levanta a cabeça, que não domina uma bola em condições e não percebe o jogo nunca na vida pode ser um jogador de futebol. Dá para juntar Tiago e Ola John numa bimby e fazer um jogador a sério com as virtudes dos dois?

Samaris. Gostei da sua entrada. Curiosamente, mostrou alguns bons pormenores a jogar com um verdadeiro trinco atrás de si. 


Foram-se dois pontos e ficou mais uma vez a sensação de que esta equipa não tem estômago para a champions. Curiosamente, nem sequer dá mostras de ter argumentos para ir longe na liga europa. Pelo exposto, seria fácil abdicar da Europa e concentrar esforços nas competições internas. Tudo isso seria muito engraçado mas estamos a falar do Sport Lisboa e Benfica. Desistir ou abdicar do que quer que seja não é condizente com a história deste clube. Como tal, há que se ir em busca dos 9 pontos que ainda estão em disputa. Já jogámos contra todas as equipas do grupo e, apesar de ter parecido outra coisa, posso garantir-vos que nenhuma chega aos calcanhares de um Bayern, Barcelona ou Real Madrid. Ganhem coragem e mostrem a vossa raça, o vosso querer e a vossa ambição. Tenho dito!


quarta-feira, Outubro 22, 2014

OLHO CLINICO











Conhece algum destes jogadores? O Mundo da Bola gosta não só de descobrir talentos como também de dar a conhecer jovens promessas. Modestia à parte, temos tido a felicidade de descobrir jogadores que podiam ter vindo para Portugal antes dos tubarões lhes pegarem. Eis alguns dos nomes que já aqui deixámos:

Di Maria (Mundial Argentina sub-17)
Lavezzi (San Lorenzo)
Toto Sálvio (Lanus+Argentina)
Luis Suarez (Groningen)
Van der Wiel (Ajax)
Hamsik (Brescia)
Cuadrado (Lecce)
Ivanovic (Lokomotiv Moscovo)
Oliver Torres (sub 17 Espanha)
Isco (sub 17 Espanha / juniores Valência)
Alexis Sanchez (selecção Chile sub-17)
Mauricio Isla (Chile sub-17)
Lamela (River Plate)
(...)

Brevemente, algumas considerações sobre os rapazes das fotos!