sábado, Setembro 27, 2014

RÁPIDAS SOBRE O CLÁSSICO


- Grande jogo de futebol. Melhor o Sporting no primeiro tempo, boa reacção do Porto na segunda parte em virtude das substituições introduzidas por Lopetegui. No geral, houve mais Sporting mas o empate aceita-se.

- Carrillo. Enorme primeira parte. Como era defendido aqui nestes lados, sempre foi o jogador mais excitante em termos técnicos (até à chegada de Nani) do Sporting e sempre achei estranhíssimo não ter mais minutos. Haja um treinador que aposta COM CONTINUIDADE num jogador desta craveira. Os resultados estão à vista e o mérito também passa muito por Marco Silva.

- Oliver. Acho fascinante como é que se empresta um jogador desta categoria. Um jogador tremendo e com uma inteligência acima da média. Com a sua entrada, o Porto passou a ter alguém a pautar o jogo. 

- Quaresma a noite; Tello o dia. Também já por aqui defendido, o futebol do nosso Ricardo tem bastante falhas que prejudicam a dinâmica ofensiva da equipa. É muito bom para desbloquear certos jogos em que as defesas estão muito cerradas mas, no geral, não compensa os riscos que RQ teima em assumir. Com o elenco que Lopetegui tem à disposição, quanto a mim vejo Quaresma muito mais como suplente do que como titular. E isto já para não falar no seu feitio (poderia, mais uma vez, ter prejudicado a sua equipa em virtude de uma entrada bárbara sobre Nani).

- Ilógico. Jogar com Nani e Carrillo nas alas e ter Slimani na frente é algo que me faz alguma confusão. Estes extremos gostam de vir para o meio, driblar e tabelar para aparecerem em zonas de finalização. Ora, o argelino é tudo menos um jogador forte a jogar longe da área. Penso que a equipa leonina ganharia mais com outro tipo de avançado, sendo que Slimani, um pouco à imagem de grande parte da época passada, poderia ser uma boa solução vindo do banco.

- Martins Indi à direita da defesa. É por estas e por outras que é muito raro vermos dois defesas esquerdinos como centrais. Muitas dificuldades em sair a jogar - nomeadamente na primeira parte - pela tal "falta" de pé direito. Foram inúmeras as perdas de bola (mérito também na pressão alta do Sporting) e bastante sentidas as dificuldades em explorar o flanco direito do ataque porque, invariavelmente, quando a bola chegava ao holandês a solução passava sempre por devolver a Marcano ou Fabiano. Também por este pequeno pormenor, não foi de estranhar a ausência total da dupla Danilo-Quaresma no primeiro tempo.

- Conferência de imprensa. Nem vale a pena acrescentar muito. De um lado o mau perder (ou empatar) e as desculpas sem motivo aparente de um; do outro, a classe e honestidade intelectual do discurso. Os nomes, nem vale a pena referi-los. Vocês sabem de quem é que eu estou a falar.

segunda-feira, Setembro 22, 2014

LIDERANÇA


Benfica vs Moreirense

- Samaris. Confirmou no pouco tempo que esteve em campo que, neste momento, não tem capacidade para ser o trinco desta equipa. Demasiado lento nos processos defensivos, não dobra laterais e não demonstra ainda uma boa ligação com os centrais. Terá, naturalmente, tempo e margem para evoluir - para já ainda só mostrou qualidade ao nível do passe - mas, me parece, é um jogador muito mais na linha de André Gomes e, como tal, receio que seja muito mais "8" do que "6".

- Ainda na linha do ponto anterior, surpreendeu-me ver Cristante fora dos convocados. Tinha a convicção que o italiano poderia ter minutos neste jogo mas tal não se verificou. Até pelo facto de ser italiano, estou muito curioso de o ver actuar a trinco e na companhia de Enzo Perez.

- Enzo Perez. O melhor em campo. Um jogo monstruoso do argentino. Correu até mais não, recuperou inúmeras bolas e foi influente na manobra ofensiva da equipa, sobretudo no segundo tempo. 

- Talisca. Muito simples: o miúdo pode até ter qualidade e um excelente pé esquerdo mas, na minha opinião, ainda não tem andamento para ser titular nesta equipa. Nomeadamente neste tipo de jogos, pede-se outro tipo de soluções na frente. Calculo que Jonas seja a solução mas Derley também mostrou ter uma palavra a dizer. Já o ex-Bahia, sacou bem a expulsão do defesa do Moreirense mas ainda está muito longe daquilo que se exige a um suposto número "10" no Benfica (e neste jogo até foi mais extremo do que "10", posição que, francamente, ainda me convence menos já que não tem velocidade para desequilibrar no flanco).

- Jorge Jesus. Sem contemplações. Tirou o elo mais fraco aos 36' e colocou um avançado. Não se notou de imediato essa alteração mas era essa mesma que se exigia. Curiosamente eu estava a pedi-la 5 minutos antes dela acontecer. Adoro quando um treinador está activo e faz aquilo que eu estou a pensar. E Jesus está variadíssimas vezes em sintonia comigo e com a esmagadora maioria dos adeptos. Gosto!!

- Moreirense. Equipa simpática e que, tal como havia feito no dragão, dificultou muito a vida ao Benfica. Treinador com um discurso alegre e com uma mentalidade que aprecio. A espaços fez pressão alta e a sua equipa nunca deu sinais de medo ou fraqueza mental. Foi "abafada" depois da expulsão mas isso é natural face à diferença abissal de forças. Prevejo muitas dificuldades para os Grandes em Moreira de Cónegos. Ah, e sobre a mentalidade, os Domingos, Motas e Conceições deste campeonato deveriam meter os olhos neste jovem técnico.

PS: Vem aí um teste duríssimo frente ao Estoril. Tive a oportunidade de vê-los pela primeira vez esta época frente ao PSV e gostei muito do que vi. Uma equipa que manteve a mesma estrutura atrás e que tem na frente dois jogadores rápidos, móveis e interessantes sob ponto de vista técnico: Kuka e Sebá. 
Mais do que se pensar no melhor resultado que serve os interesses da equipa no derby, importa, isso sim, focar todas as atenções no difícil teste da amoreira. Uma suposta vitória faria aumentar a distância pontual para Sporting e/ou Porto e daria uma moral enorme para o decisivo embate frente ao Leverkusen. 

quarta-feira, Setembro 17, 2014

ENTRADA COM O PÉ ESQUERDO


E o pé esquerdo de Hulk foi mesmo o pior inimigo do Benfica. A equipa entrou mal no jogo e aquele tridente composto por Shatov (belo jogador!), Danny e o incrível (mais uma vez esteve sublime na Luz) aproveitou a apatia defensiva encarnada que contou com um Jardel infeliz no passe (nestes palcos nota-se mais o erro) e com um Samaris completamente perdido em termos defensivos (melhorou na segunda parte, sobretudo a nível ofensivo, mas defensivamente ainda está longe daquilo que Jesus pretende).

Estamos na champions e os erros pagam-se caro. Podem dizer-me agora à posteriori que Jesus esteve mal porque deveria ter povoado o meio-campo ou porque André Almeida deveria ter assumido a posição de trinco já que Samaris ainda não percebe a dinâmica da equipa. Pois, é sempre mais fácil tomar decisões depois de ver o que o jogo dá. No meu entender, esteve bem o técnico em manter a equipa que goleou o Setúbal. É verdade que praticamente tudo correu mal mas a equipa, sobretudo depois do 0-2, deu sinais de que tem valor, tem qualidade e tem armas para ganhar jogos em casa e fora neste grupo. É preciso ter calma e paciência para com o trabalho que está a ser feito. Tenho tido este discurso desde o início e mantenho esta linha: estes jogadores e este treinador dão-me garantias de sucesso esta temporada. Na champions é mais difícil mas acredito que ainda vamos a tempo de lograr algo bonito.

Destaques:

- Artur: o homem está de rastos. Até Paulo Lopes parece mais tranquilo que o brasileiro. Não tem, neste momento, condições para ser titular na baliza do Benfica.

- Maxi: não sou propriamente um fã de Maxi mas reconheço que o uruguaio dá sempre tudo em campo. Deu sempre a frente a Shatov e em alguns momentos isso podia ter custado mais caro ao Benfica; ao nível ofensivo, deu sempre profundidade ao ataque e deu sempre outras soluções a Sálvio.

- Jardel: infeliz no passe. Esteve bem na marcação mas nota-se as suas dificuldades quando pressionado. Neste jogo, por todos os motivos e mais alguns, sentiu-se saudades de Garay.

- Eliseu: o golo de Hulk não é propriamente responsabilidade sua já que estava em momento ofensivo e não teve tempo para recuperar. De resto, cumpriu. Perdeu alguns lances - com Hulk qualquer lateral tem dificuldades - mas, no geral, sai com a sensação de que não foi por ele que apareceram os golos do adversário.

- Samaris: horrível na transição defensiva nos primeiros 45 minutos. Não deu cobertura aos laterais e não foi a muleta que os centrais tanto precisam. Jesus ponderou substitui-lo ainda no primeiro tempo mas, curiosamente, ainda bem que não o fez. O grego melhorou e, no segundo tempo, mostrou alguns dos atributos que levaram o Benfica a contratá-lo. Ainda vai precisar de tempo (não estou totalmente convencido que seja um "6") mas parece-me que poderá vir a ser preponderante nesta época.

- Enzo: aos 85 minutos, depois de uma tremenda arrancada, meteu os braços nos joelhos e "disse" a toda a nação benfiquista: "não posso mais". Um pulmão extraordinário e uma qualidade técnica acima da média. Um jogador tremendo que, por si só, merecia ter tido um resultado final mais feliz. 

- Sálvio: o melhor jogador do Benfica nesta partida. Correu até mais não e foram dos seus pés as melhores e mais perigosas jogadas da equipa. Mais um que merecia mais qualquer coisa deste jogo.


Uma derrota amarga mas que em nada pode abalar o trajecto da equipa. Há que mostrar já frente ao Moreirense que a equipa continua focada em evoluir. Provavelmente teremos alguns jogadores novos neste jogo (suspeito que nomes como Ola John, Jonas, Julio César e o próprio Cristante possam ter minutos) e há que vencer para que a moral continue em cima. Depois, frente ao Leverkusen, há que acreditar que é possível. Eu, como sempre, acredito!

domingo, Agosto 31, 2014

DERBY


Comecemos pelo início: diferentes abordagens dos técnicos na gestão dos recursos humanos. Jesus quis dar um voto de confiança a Artur e também ao próprio André Almeida, relegando os reforços Júlio César e Samaris para o banco. Mudar de redes depois do bom momento que Artur vinha vivendo seria "queimar" completamente um jogador e dar a titularidade ao grego poderia passar a mensagem que o jovem André apenas teria argumentos para ser titular quando os jogadores principais estão mais cansados.
Já no Sporting, Marco Silva optou pelo sistema "jogam os melhores, independentemente da forma e do número de treinos ou jogos". Montero foi para o banco e Slimani, com meia dúzia de treinos, entrou directamente no onze. Recorde-se que Marco já o havia feito com Nani uma semana antes.

Posto isto, qual dos dois tomou a melhor decisão? Na minha maneira de ver e de pensar o jogo, diria que, regra geral, a postura do técnico encarnado é a mais sensata. O curioso é que, em termos práticos, foi Marco Silva que ficou a ganhar - no caso de Artur já que André Almeida portou-se bem -. No fundo, o futebol é isto mesmo e é por estas e por outras que é difícil ser-se treinador e é muito fácil mandar postas de pescada no final das partidas.


Quanto ao jogo, apesar do resultado se aceitar, penso que o Benfica esteve mais perto da vitória. Não há dúvida que a partida ficou marcada pela falha do Artur, um golo contra a corrente do jogo e que não só desorientou o sector defensivo como também agitou o público da casa. O Sporting aproveitou essa instabilidade e subiu linhas, cruzou mais bolas para a área e naturalmente que também é justo dizer que poderia muito bem ter chegado à vantagem antes do intervalo.

No segundo tempo, a equipa encarnada voltou a entrar muito bem e só por mera falta de sorte não marcou o tal golo da vitória. Depois, nos últimos 20 minutos, faltou aquilo que Jesus já percebeu que não tem em comparação com a época passada: BANCO. Coloco-me no lugar do Jorge e penso assim: "quem é que deste lote é capaz de entrar neste tipo de jogos e me pode resolver a partida? Ola John? Bebé? Derley? Pizzi?"; Pois, talvez se justificasse a saída mais cedo de Talisca - o único que facilmente poderia ser substituído - mas, de resto, penso que esteve bem Jesus em não arriscar saídas de Lima, Sálvio, Gaitán ou Enzo Perez. Mesmo cansados, são claramente superiores aos seus companheiros de banco.

Não foi o resultado ideal mas também não foi dramático. Uma coisa me pareceu evidente: esta equipa do Benfica, mesmo com tantas adversidades, continua a ser mais adulta e até com mais qualidade ofensiva que o Sporting e, em termos de consumo interno, ficou demonstrado que este plantel dá garantias para, uma vez mais, lutar taco-a-taco com o Porto pelo título. Isto, claro está, com Enzo e Gaitán na equação. Mais do que os potenciais reforços que possam surgir amanhã - gostaria imenso que viessem um ponta-de-lança e mais um médio -, já ficaria satisfeito se a porta de saída estivesse fechada para as nossas pérolas. Aguardemos, pois então.


PS: Gosto de Jardel e tem cumprido. No entanto hoje notou-se a fragilidade do brasileiro a jogar com o pé esquerdo, isto comparativamente a Garay. André Almeida recuava, Jardel encostava mais à esquerda e, pressionado, era obrigado a bater com o seu pior pé. Quase sempre que isto aconteceu a bola ou saía pela lateral ou ia para o adversário. Um pormenor que, em jogos deste calibre, pode fazer a diferença.

segunda-feira, Agosto 25, 2014

IMPORTANTE MESMO ERA VENCER



Surpreendeu-me o Boavista! Não estava à espera de tantas dificuldades e muito menos de um resultado tão curto. Mérito para Petit e para os seus atletas. Não sei se beneficiaram ou não do sintético mas o que fica é que a equipa de tostões vendeu muito cara a derrota à suposta equipa de milhões.

Não gostei muito do futebol encarnado. Pouca clarividência ofensiva e muita lentidão nas transições. Valeu o momento de inspiração de Eliseu que garantiu três importantes pontos, algo que, em vésperas de derby, sem dúvida que era o mais importante.

Estamos a apenas uma semana do fecho do mercado e para já contamos ainda com Luisão, Enzo e Gaitán e 6 pontos em dois jogos. Satisfeito, portanto. Vamos a notas:

Maxi - Depois de alguns jogos muito bem conseguidos, voltámos a ter o velho Maxi, o dos disparates e das faltas de concentração. O amarelo que levou, embora algo exagerado, é apenas uma das muitas falhas de concentração.

Jardel - Dos melhores jogadores do Benfica. Certinho e cada vez menos complicativo. Para já, confiança total no brasileiro.

Eliseu - A par de Gaitán, o melhor jogador do Benfica. Ainda não está totalmente sincronizado com os companheiros de sector (por duas vezes não acompanhou a linha defensiva e foi por pouco que não deixou adversários em jogo) mas é um atleta interessante sob ponto de vista físico e técnico. Não é um craque mas é bem melhor do que sempre me pareceu.

Talisca - Sei que se falou muito bem dele na pré-época mas eu como só vi os últimos testes da equipa, não pude constatar todo o seu talento. Para já o melhor que posso dizer dele é que tem uma boa qualidade de passe. Quanto ao resto... fraquinho. Talvez possa dar qualquer coisa a "10". A 8 ou a 6, nunca na vida. A precisar claramente de banco!

Lima - Passou totalmente ao lado do jogo. Não combina minimamente com Jara. Gostava de o ver mais recuado e no apoio a Derley.

Jara - Não é tão mau como alguns o pintam mas, no meu entender, não tem futebol para jogar no Benfica.

MVP: Nico Gaitán. Naturalmente que não foi dos seus melhores jogos mas o perfume que tem e a qualidade que transpira fazem dele, actualmente, a grande referência do futebol ofensivo encarnado. Cheira-me que vai jogar a "10" com o Sporting.

PS: Vem aí uma semana intensa para os lados da Luz. Espero acima de tudo que tenhamos um bom sorteio da Champions e que, mais do que eventuais entradas, não hajam saídas. 


sexta-feira, Agosto 01, 2014

PLANTEL SLB 2014-15

GR: Titular + Artur + Paulo Lopes

DD: Maxi Pereira + Sílvio + Cancelo

DE: Eliseu + Benito

DC: Luisão + Lisandro + Jardel + mais valia

MD: Fejsa + Rúben + A. Almeida (possível contratação devido à lesão do Fejsa)

MC: Enzo + Talisca + João Teixeira

MO: Bernardo Silva 

MAD: Sálvio + Bebé

MAE: Gaitán + Sulejmani

AC: Lima + Derley + Nélson Oliveira + mais valia

Para vender e/ou emprestar:

Luis Felipe
Djavan
Sidnei
César
Steven 
Ola John
Candeias
Ivan Cavaleiro
Pizzi
Jara
Victor Andrade
Cardozo

BENFICA: PRIMEIRAS IMPRESSÕES

Regressado de férias, tive, esta semana, a oportunidade de ver os dois primeiros particulares do Benfica. Uma derrota e uma vitória, muitos jogadores utilizados e outros que praticamente não tiveram tempo ou espaço para mostrar serviço. Vamos a notas:


POSITIVO:



- Enfrentar nova temporada com o mesmo corpo técnico deixa-me tranquilo. Mesmo com tanto resultado negativo, acredito que, com esta ou aquela saída e esta ou aquela entrada, o nosso mister dará, novamente, conta do recado.



- Jovens portugueses a mostrar serviço. Já o tinha dito aqui algures que acreditava nos jovens João Teixeira, João Cancelo e o Bernardo Silva. Se nos médios se nota o toque de bola e a simplicidade de processos, já no jovem lateral, as suas maiores qualidades (capacidade técnica e velocidade) ainda não ofuscam as suas limitações (dificuldades no processo defensivo e imaturidade na abordagem de certos lances). Ainda assim, creio estarmos na presença de um menino talentoso que, nas mãos certas, tem tudo para crescer e dar certo no clube.



- Mais jogadores conhecedores do nosso futebol. Eliseu, Bebé, Candeias, Pizzi e o próprio Derley. Se o ex-Málaga será, ao que tudo indica, o dono da lateral esquerda, já os outros vão ter de mostrar qualidades para entrar nas opções de Jesus. Ainda assim, tendo em consideração que estamos a falar de opções secundárias, acho que o técnico pode estar mais ou menos descansado no que concerne a soluções ofensivas.



- As novas funções de Nico Gaitán. Posso estar enganado mas pareceu-me ver o Nico com o duplo papel de ala/nº10. Com a ausência de Rodrigo, parece-me uma excelente opção ver Gaitán em zonas mais interiores. Cabe a Eliseu ou Benito assumirem as despesas do corredor, nomeadamente nos jogos em casa. Até ver, deu-me a ideia que o português tem pedalada para fazer esquecer Siqueira.



- Talisca. Bons pés e boa visão de jogo. Falta-lhe alguma intensidade para assumir o jogo encarnado mas, tendo em conta que ainda estamos numa fase embrionária da época, não está nada mal.



NEGATIVO:



- Resultados. Por muito que se desvalorize, as pré-épocas também são feitas para se ganhar e se adquirir moral. Tanta derrota cria desconfiança nos adeptos e poderá inibir alguns jogadores que são novos no clube.



- Demasiados jogadores. Bem sei que ainda se está na fase de arrumar a casa mas tanto atleta não é saudável para o grupo. 



- Posições demasiado apetrechadas e outras sem soluções de qualidade. Olha-se para a baliza e só se vê Artur e Paulo Lopes; no centro da defesa Sidnei e César não mostram qualidade para sequer fazer parte do plantel; no meio, com a lesão de Fejsa, Rúben e André Almeida são curtos para se tentar fazer algo interessante na champions; no ataque falta um avançado que baixe e se conecte bem com o sector intermediário (Jara não serve) e um ponta-de-lança que garanta 20/25 golos. Cardozo está claramente em queda e tanto Derley como Nélson Oliveira apenas poderão aportar algo se vindos do banco.




Ainda muitas indecisões, resultados pouco animadores, algumas vendas que não trouxeram grandes benefícios ao clube e muitas contratações feitas sem critério (Djavan, por exemplo). Tudo isto poderá levar-nos a pensar que o Benfica versão 2014-15 não tem hipóteses para ombrear com Porto e Sporting e que teremos pela frente um ano difícil. Pois bem, quero acreditar que Jesus terá, mais uma vez, habilidade para contornar todo este cenário negro e elevar o Benfica para o patamar que já nos habituou. Para já, a confiança é total.

sábado, Julho 12, 2014

ROLABOLA: DECISÃO FINAL

Brasil 0-3 Holanda (Van Persie, Blind, Wijnaldum)
MVP FIFA: Robben (Holanda)

Alemanha 0-0 Argentina
MVP FIFA: Gotze (Alemanha)

PONTUAÇÕES:

Pedro Rodrigues 8
Salvador 0
Fostex 19+3
Márcio 8
Seco 1
Edu 8
Telmo 10
Oliveira 13
Rocha 0
Pascoal 0
Amândio 0

VENCEDOR DA JORNADA: Fostex = 22 PONTOS

Melhor Guarda-Redes: Neuer (Alemanha) 
Melhor Jogador: Messi (Argentina)
Melhor Marcador: James (Colômbia)
Melhor Jovem: Pogba (França)
Vencedor: Alemanha 

CLASSIFICAÇÃO FINAL:


1º Oliveira 58 PONTOS+15 (Pogba)
2º Rocha 53+15(Neuer)+15 (Pogba)
3º Amândio 53+15 (Neuer)+15 (Pogba)
4º Pascoal 48+15 (Neuer)+15 (Pogba)

5º Telmo 47+15 (Messi)
6º Eduardo 41
7º Fostex 38+15 (Pogba)
8º Márcio 39+15 (Pogba)
9º Pedro Rodrigues 38+15 (Messi)
10º Doc 29+15 (Neuer)+15 (Pogba)
11º Seco 25+15 (Pogba)
12º Miguel Pais 24+15 (Neuer)+15 (Pogba)
13º Salvador 24+15 (Neuer)+15 (Pogba)
14º Louro 10+15(Neuer)+20 (Alemanha)+15 (Pogba)
15º Márcio L. 1+15 (Neuer)
16º Octávio 0+15 (Messi)+15 (Pogba)

CLASSIFICAÇÃO FINAL:

1º BRUNO ROCHA 83 PONTOS (140 ROLAS)
2º Amândio Santo 83 (80 ROLAS)
3º Nuno Pascoal 78 (45 ROLAS)
4º Paulo Oliveira 73 (35 ROLAS)
5º Fostex 63 
6º Telmo Marques 62
7º Louro 60
8º Doc 59
9º Márcio Ferreira 54
10º Miguel Pais 54
11º Salvador 54
12º Pedro Rodrigues 53 
13º Eduardo 41
14º Seco 40
15º Octávio 30
16º Márcio L. 16

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

- Em primeiro lugar, pode ter havido uma ou outra falha ao nível das pontuações finais mas não há dúvida de quem são os 4 primeiros e isso é o fundamental.
O Fostex acabou por ser o vencedor da jornada (e não o Oliveira) já que acertou a dobrar no resultado da final.

- Para que não hajam dúvidas, aqui ficam os critérios de desempate que colocámos no facebook no dia 24 de Maio:

 7. Em caso de igualdade na final da fase de grupos, são estes os critérios de desempate: 1. vantagem para quem estava à frente na ronda anterior; 2. participante que acertou mais resultados certos; 3. participante que ganhou mais golos com o marcador de serviço.

- Um agradecimento a todos os que tornaram este passatempo possível. Espero que tenham gostado. Da minha parte, não há nada a apontar a ninguém. Espero que possamos encontrar-nos daqui a 4 anos.

- Parabéns a mim pela dobradinha. Para quem não sabe, para além de ter vencido o rola, ganhei também o jogo do FIFA. Foi muito renhido mas acabou por vencer quem mais tempo passou na frente. Na minha opinião, houve justiça.

- Se me permitem, seria um escândalo se o segundo classificado vencesse. O senhor Amândio Santo, campeão em 2010, foi afastado (e muito bem) da fase de grupos mas usou a táctica da repescagem para voltar ao jogo. Legal, é certo, mas que em nada dignifica um participante que defendia um título mundial. Esse mesmo senhor acabou por ficar em segundo, muito por culpa de uma jornada em que me obrigou a divulgar os meus palpites. 

- Tivemos alguns estreantes e, devo dizer, deram boa conta do recado. O Louro foi a revelação da primeira fase e sai do jogo com o tiro certeiro na Alemanha como vencedora do mundial. O Miguel Pais conseguiu brilhantemente apurar-se no seu grupo e mostrou alguns conhecimentos; o Márcio Ferreira entrava para não descer e acabou por ficar a meio da tabela graças à nossa Senhora do Benzema; finalmente o Pedro Rodrigues, na minha opinião, o participante que menos percebe de futebol, conseguiu o brilharete de ficar à frente do Edu. Ok, isso não é assim tão fantástico...

Um abraço patinhos. Voltem sempre!!!

PS: Pascoal, manda o NIB se faz favor.